top of page

Agora você conta com um assistente de leitura, o chatGPT responde suas perguntas sobre a postagem que está lendo. Somente abra o chat abaixo e faça perguntas!

Ghostwriting: posso pagar alguém para escrever para mim?

Atualizado: 19 de abr. de 2023




"Geralmente, quando reviso, a primeira coisa que busco é plágio. Considero uma das maiores sinas de um acadêmico: copiar a obra de outro." Jorge Guerra Pires






"Finalmente obtivemos o resultado de 199 artigos publicados, quase todos se referindo à área biomédica. Quase 200 artigos em apenas 10 meses deste ano é uma boa quantidade." Fonte

Atualmente decidi me aventurar na escrita. Escrevo há tempos, lembro-me desde o começo da graduação onde terminei as primeiras obras, não publicadas; também lembro no ensino médio de prometer aos meus colegas que iria escrever um livro; tenho quatro agora🤜, trabalhando no próximo! 😎 Algo que já recebi é pessoas pedindo para escrever para elas, até fiz para ser sincero para um aluno. Seria errado alguém escrever para você? Isso se chama Ghostwriting.


O Ghostwriter é definido como um “escritor fantasma”, um escritor profissional que é contratado para escrever obras pelas quais não receberá crédito oficial, permanecendo anônimo. Fonte

Ghostwriting em se não é errado, como destaca nossa fonte. O ponto que nossa fonte destaca, e não havia pensando nisso desta forma, é que no mundo acadêmico o processo de escrita em se já é um processo de criação. Acho isso interessante porque não o via assim. Escrever para mim, pelo menos a parte mecânica, parece-me algo bem mecânico, e não classificaria como criativo. Contudo, nossa fonte coloca como plágio, uma das maiores violações que um acadêmico pode fazer! Eu, de certa forma, duvido que pessoas famosas realmente escrevam livros. Sempre aparece uma figura pública, que decide escrever livros; e da noite para o dia vira escritor, um escrito leva anos. Escrever é difícil: eu acredito que devam contratar alguém, os ghostwriters.


Da nossa fonte:

O ‘escritor fantasma’ é um recurso usado com frequência por estudantes de universidades que tem que apresentar trabalhos de graduação, teses de mestrado e inclusive teses de pós-graduação, e para isso contratam escritores profissionais que fazem o trabalho por eles.

Como freelancer atualmente, realmente, já recebi pedidos desta natureza.

Eu sugiro para o jovem pesquisador não use essa prática.

O processo de escrita, por mais doloroso que seja, é um processo de reflexão. Uma vez ouvi um professor falar que quando escrevemos o artigo, vemos que nossa pesquisa está precisando melhorar, faltando algo. Escrever ativa o lado racional do nosso cérebro, além de ajudar na memória. Eu sugiro que escreva, mesmo que seja uma linha por dia! Já vi pessoas que tinham muita resistência em escrever, mas no final fizeram um trabalho fenomenal. Escreva sempre!


Ghostwriting parece bem comum nas áreas médicas


"Easy to see, medical writing is a gateway for hidden marketing in the pharmaceutical industry and the boundary between scientific fraud and corruption is unclear. " Markus Pohlmann



 
Como destacado na postagem, ghostwriting é um problema presente na academia, estando as pessoas cientes ou não. Poderia traçar um paralelo com a prática de usar o chatGPT para escrever. Seria uma forma de ghostwriting? Ghostwriting é reconhecido como negative na academia, seria o mesmo para o chatGPT?

Assistente de leitura (Einstein Chatty)(*): É uma reflexão interessante sobre o uso do chatGPT na escrita. Enquanto o ghostwriting é reconhecido como uma prática negativa na academia, o uso de ferramentas como o chatGPT pode não ser considerado necessariamente negativo. Contudo, é importante lembrar que o processo de escrita é um processo de reflexão e desenvolvimento do pensamento crítico, o que pode ser comprometido se alguém depender completamente de ferramentas como essa. Por isso, é importante ter um equilíbrio na hora de usar o chatGPT ou qualquer outro recurso, para que a escrita continue sendo uma ferramenta para o desenvolvimento acadêmico e intelectual.


(*) Usando o chat no seu canto direito para perguntar o chatGPT

 




 

Fonte

Ética editorial – “Ghostwriting” é uma prática insalubre


Suggested readings

 





No LinkedIn




"Mercado literário tem ghost a rodo e tudo bem." Liciane Corrêa


"A escrita faz parte do trabalho. É importante saber passar para o papel o que foi feito. Pode ser chato, pode, mas é parte do trabalho. Uma boa escrita é sinônimo de uma boa comunicação. Estou focando na área das ciências naturais. Onde fazemos as coletas, experimentos e análises. Passar esses resultados pro papel bem como fazer uma boa discussão dos dados, no meu ponto de vista, não tem como terceirizar." Juliana Azimute Coelho

Q&A




"Mas digamos que a pessoa fez toda a coleta, experimento, análise, gráficos e o escambau, só acha um saco escrever, ainda seria crime? " Lire Souza
"não, desde que ela informe quem realizou a coleta, nesse caso o que tá em jogo é a propriedade intelectual da coisa. Você pode comprar a patente de um produto e ter direitos sobre ele ou comprar um quadro do Picasso, mas você não pode se passar como inventor ou ou como autor do quadro não sendo. Seria o equivalente a ter um co-autor ou ter um revisor isto que você citou." Eder W. B. Pena



 

Próxima postagem: Lidando com pessoas de alto conflito: seja BIFF!

Uma postagem por semana, aos sábados, fique de olho! 👀👀👀. Prefere olherada 👂👂👂, ouça nosso podcast 🎙️🎙️




393 visualizações0 comentário
bottom of page